segunda-feira, 23 de maio de 2011

Sugestão de livro.


 O Pequeno Príncipe
(Antoine de Saint-Exupery)
 
Esta é a história de um príncipe que mora num planetinha. O narrador encontra o pequeno príncipe quando ele fez um pouso forçado no deserto de Sahara. Ele estava consertando o seu avião quando ouve uma vozinha pedindo-lhe para desenhar um carneiro. O narrador voltou-se e viu o pequeno príncipe. O aviador soube que o príncipe veio de um planeta tão pequeno que ele podia assistir o por do sol quando ele quisesse, bastava para isso, girar o corpo. O princepizinho pediu-lhe para desenhar um carneiro. Ele queria o carneiro por que o carneiro come arbustos. E assim poderia comer os baobás que eram um problema em seu planeta. O narrador ponderou que baobás são árvores grandes, mas o príncipe explicou-lhe que eles nascem pequenos, mas ficou preocupado por que carneiros comem flores também e ele tinha uma flor muito especial em seu planeta, uma flor que amava muito. A flor embora bonita e cheirosa era vã e exigente, ingênua e orgulhosa! Acreditava que seus espinhos a protegeriam, exgiu que o príncipe a cobrisse com uma tela. Disse-lhe para colocá-la sob um globo de vidro à noite para protegê-la do frio. Embora o príncipe a amasse, estava cansado de ouvir-lhe as exigências, assim ele partiu de seu planeta com um bando de pássaros em migração. Antes de chegar à Terra, o príncipe visitou muitos planetas. um rei vivia no primeiro planeta que ele visitou. O rei ficou feliz por ter um súdito e exigiu obediência. Ele cansou de pedir ao príncipe para ficar, mas o príncipe não concordou e partiu novamente. Visitou outros planetas e cada vez conheceu pessoas diferentes. Na Terra queria descobrir amigos e conhecer muitos lugares e coisas. Um dia conheceu a raposa e fez amizade. Umas das coisas que ela lhe dissera foi: - A gente só conhece bem as coisas que cativou, os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas, mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me! ...