domingo, 23 de junho de 2013

COISAS QUE NÃO DEVIAM ACABAR

Kenn esperava o trem já á meia hora e nada de ele chegar... Ultimamente havia esse ‘maldito’ atraso diário, horas a fio a espera de um trem que deveria adiantar seu caminho e pelo contrario o estava atrasando, atrapalhando, fazendo-o perder tempo. Precioso tempo, aliás!  
Naquela manhã somente não perdera todo tempo do mundo porque tinha em sua mochila um exemplar do conceituado livro ‘Diário de bordo de uma dor’ do escritor holandês Roney Dunck. O assunto era muito intimo, mas o escrito era adorável. Naqueles instantes em que mergulhou nas palavras esqueceu-se por completo, ou quase, do mundo que o exigia pressa, muita pressa. Desejou que aquele trem á muito atrasado nunca mais aparecesse que deixasse esse mundo volátil e fosse dali mesmo, sem despedidas, transportado pra outro universo além de qualquer sonho. Essa leitura intensa o levou da tardia espera...
Aquele livro, aquela história, aquele momento que inicialmente era estressante simplesmente virou desejo de eternidade. Ele desejou que nunca acabasse. Ao entrar no trem suspirou com voz triste e disse:
- Viajar nos livros. Amar alguém. Tomar chocolate quente. Conversar com os amigos. Sorrir pra vida... Definitivamente existem coisas que nunca deveriam acabar.
Seu trem partiu. Partiu seu coração. Agora que acabou, tudo esta sem graça. Tudo meio sem sentido, tudo está meio partido.