quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

- DE VOLTA PARA CASA!


    Ouvindo o barulho das folhas da mangueira a cair, lembrei-me imediatamente dos sonhos que no inicio da manhã já perecem como aquelas verdes folhas que caiam sem esperança sobre a poeira dos dias. De uma criança que nos meus dias de juventude apontava para a rede ainda vazia e falava insistentemente sobre o sono, a fome e a lágrima do ‘pisilicão’ que eu nunca pude conhecer.  Dos banhos de rio no inicio da tarde e da companhia alegre do meu primo Ferreira. Ele tinha anedotas e sempre havia uma boa piada na manga. 

    Na casa de vó Sinhá tinha pão de queijo fresco, numa mesa farta sempre era a broa de fubá que me chamava mais irresistivelmente. Na manhã acordava com os pássaros que faziam por onde privilegiar a visita e me faziam serenatas ao amanhecer sem se importar se eu queria ou não prestigia-los. E tinham os papos da noite, aquelas historias longas que alguém criativo sempre conta, puxada, arrastada... arrasta a noite a arrasta a gente... E vamos seguindo... Na hora de partir a mala parece pequena para tantos momentos felizes e tantos sorrisos. Mas, em casa, tem a mulher da foto que beijo toda noite e tem aquele sorriso e aquele abraço que me aguarda. E eu entendo que sim... Tá na hora de ir para casa!