sexta-feira, 18 de abril de 2014

VOCE PARTIU... E ME LEVOU COM VOCÊ!


       Caminhava naquele cômodo escuro com total domínio, parecia poder mesmo enxergar com as mãos habilidosas todos os recantos sem sequer necessitar de acender a luz do abajur... Sentia ao levar a mão ao cabideiro aquele velho casaco azul marinho dependurado, meio borrado pelo tempo e com os fiapos do tecido a denunciar de que época ele seria... E aquele cheiro que já era mais de mofo do que dele, mas que o trazia para ela... Não fazia sentido se não estivesse ali, naquele mesmo lugar onde o pôs na sua ultima visita. Depois a estante, a foto dele com o cachorro que adorava e a foto de formatura com sua beca torta, sua coleção de botões, seus livros de aventura... Tudo estava exatamente onde ele deixara na sua ultima visita quando ainda planejara voltar... Mas, já não poderia voltar, mesmo se no intimo desejasse isso, também não poderia... Agora tudo já mudou, até ela mudou e ele também já mudou. 

       Naqueles dias de outrora fizeram promessas, riram e choraram juntos... Pareciam eternos, até eu em um dado momento podia jurar que seriam mesmo, mas até eu me enganei. Ela sempre soube quando o olhou pela primeira vez que ele sempre viveria dentro dela, ele sempre soube bem antes de vê-la que seria ela a dona do seu coração por toda vida. E agora, que nada mais os podia unir, havia um silencio triste e uma interrogação sinistra... Ambos queriam muito perguntar o porquê, mas calaram-se por certo temor de não haver nenhuma resposta. Ela pediu que ele não fosse, que poderiam se arranjar e tudo poderia ficar bem, mas ele precisava ir... Somente disse isso ‘ preciso mesmo ir’ e deixando-a com lágrimas a inundar-lhe a face morena, ele se foi... E ela ficou, mas não sentia-se inteira...

     Desde aquele dia, que fora uma sexta-feira de feriado religioso que ela tinha um questionamento virando sua cuca... Ela tinha dúvidas se não lhe doparam e lhe tiraram um pedaço do coração do seu peito... Ela, depois desse instante, nunca mais pode sentir-se completa, nunca mais pode preencher um estranho vazio que tinha bem ali onde outrora fora um coração transbordante e hoje era apenas um rombo indescritível... 

         No intimo ela soube que no dia que ele se fora... Ele tinha levado consigo esse pedaço dela... E eles (ele e o seu pedaço) faziam muita falta para ela!