domingo, 13 de julho de 2014

CUMPLICIDADE

     Acho engraçado como você chega tão soberano de surpresa como uma mágica e elegante presença desengonçada. Sempre parece querer e num querer como se pudesse brincar com minhas dúvidas. Penso que tenta me enlouquecer com suas incertezas e minhas grandes confusões. Mas, não. Você está sempre sereno, como se um outro mundo houvesse nesse mesmo mundo que nos rodeia e para ele você nos transporta sem pedir licença. Isso mesmo! Você adquiriu um adorável habito  de roubar-me de minha realidade sem minha permissão, sem que eu ao menos perceba estou contigo e nem vejo. E não consigo desaperceber seus gestos, ora atrapalhados, inquietos e ora dóceis e amáveis, sempre ora isso ou ora aquilo, você se descobre e desliza entres as mais leves sutilezas.Não deixo de notar sua inquietude, sinto como se a qualquer instante pudesse brotar asas de suas costas e você sair voando em plena liberdade por ai. E eu incrédula pelo esperado (inesperado) sairia nas pressas a admirar seu voo mágico.
     Vejo e percebo mais de você em silêncios. Sua boca pronuncia algumas poucas palavras que não nos levam nem para lá nem para cá, mas suas mãos querem abraçar o mundo e meu mundo só quer ser abraçado mesmo em silencio, mesmo em segredo... Amo muitos de seus singelos descuidos... O modo como tenta sempre fingir está do meu lado, como consegue timidamente demonstrar um cuidado amoroso e sincero em minúsculos feitos singelos, como fechar uma janela e livrar-me do frio, arrumar meu casaco, ou tocar na ponta da minha orelha esquerda com sua mão direita enquanto assistimos alguma bobagem na TV só para me fazer saber que não estou mais sozinha e que você está ali. E, no intimo me pergunto desde quando ali esteve altivo e fugaz? E por que somente agora deu sinal de fogo meu herói tão humano e cheio de esquisitices? 
    O mais legal de tudo é o ar de alegria feliz que invade a gente quando estamos juntos. É sua instabilidade que denuncia sua indecisão me deixa indecisa. E quando chega a hora de ir você vai! E quando quer voltar... Você volta!  E eu fico aqui, vivendo enquanto te espero para escrevermos juntos outro capitulo dessa historia...

( No dia que a Alemanha foi tetra campeã)