quarta-feira, 1 de abril de 2015

-OS IPÊS ESTÃO FLORESCENDO...



          Os ipês estão florescendo e é inevitável diante de sua indiscutível exuberância não notar a névoa densa de saudade que pousa suave sobre suas flores divinas. É um apelo por teus olhos sob elas, um desejo de tua contemplação, um suspiro ansioso de tua presença. E minha alma tem constantemente acordado como os ipês, apenas desejando você a cada instante. Ou talvez eu tenha inventado as flores só para prender teu olhar em mim... Hoje, sabendo que você foi embora sem adeus eu me comovo com sua falta, mas admiro sua coragem. Só alguém que se importa escolhe partir seu coração ao invés do coração do ser amado. Tenho me perguntado em minhas noites de insônia como você tem conseguido viver com os caquinhos que devem ter sobrado de você, depois que decidiu dar as costas a seu amor somente para vê-la feliz em outros braços. Ela jamais acho eu, foi sequer merecedora do teu sentimento, eu em silencio amei você na sua dor, na sua alegria, na sua conquista e perda. Amei em silencio como uma leve sinfonia, como uma sombra que se contenta em ter o seu criador por perto mesmo jamais podendo alcança-lo. Agora, já tão distante, sem noticias, sem vaidades, verdades ou encantos eu sinto-me movida a confessar-te que vi os ipês florescendo e lembrei que nunca vou deixar de amar-te, nunca vou esquecer teu sorriso e o beijo de amor que jamais foi dado, nem tampouco vou deixar de lembrar que você faz falta todos os dias...
Amo os ipês florescendo porque amo você neles! Talvez se soubesse... Se tivesse tido a ousadia de arriscar a amizade para declarar um amor que sei que não era correspondido, talvez... Sei lá... Não fiz nada. Apenas esperei que ela voltasse e você a abraçasse feliz e esquecesse a dor, depois lembrasse de marcar um encontro para me contar como houvera sido a ultima noite, essas coisas de amigos, contar os detalhes sórdidos de sua paixão feliz, mas não foi assim... Um dia acordei com a realidade de sua ausência e não soube aonde me refugiar, simplesmente prendi-me nas lembranças, nos fogos de fim de ano, no beijo roubado do carnaval.
Aí já era... Acordei e tinha ido embora sem recados, sem mensagem alguma ou sinal de fumaça. Havia deixado seu boné de Bad boy, sua camiseta do Scorpions, e um anel que usava sempre. Depois respirei sei perfume e segui minha vida assim, meio vazia, meio cheia... Estava esperando até agora, anos depois, que você voltasse para te falar essas coisas, mas meu tempo tá esgotando e então, eu simplesmente falei... Amo você! Falei bem baixinho, mas acho que ninguém ouviu mesmo... 


Créditos da imagem 
Ipês florescendo : Marinez Lucena