segunda-feira, 25 de julho de 2011

Suas razões

 
Não partiste porque minhas lágrimas
eram quentes e meu sorriso amargo, não  é?
 
Não. Não foi minha dor ou meu apego a
     tua voz que te fez desejar minha
             ausência, acaso foi?

 Foram tuas promessas que não podiam
   jamais se cumprir que te fizeram ir
       embora sem olhar para trás?

Foram tuas preces no meio da noite que
        te fizeram partir sem mim?

    Foram as doces noites de lua que
   experimentastes enquanto eu ainda
          sonhava com tua volta?

É isto? Deixaste-me de lado e traíste-me
 com a lua, tua sempre amada amante?

Acaso foram meus suspiros apaixonados
 que te fizeram fugir covardemente? Ou
  foi minha espontânea alegria por tê-lo
  em minha vida que o assustou e me fez perdê-lo?
 
Quero saber a razão, pois sem razão não
  há vida em meu seio torturado por tua falta...
 
Quero saber a razão para poder ouvir as
 minhas próprias razões em ainda lutar
                 por você...

‘Amo-te como amigo e como amante’ diz
 o Vinicius e eu te digo que mais que isso,
    amo-te mesmo com todo meu amor
           confuso e inebriante.

Amo-te com ardor e frescor, com paixão e
        calma, com doçura e fogo.

      Amo-te incomensuravelmente e
eternamente até que o dia deixe sua luz e
o céu, abrindo mão de sua grandiosidade,
         me extinga deste mundo!
      

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Amigos


Hoje as pessoas resolveram dizer ' feliz dia do Amigo' amigo.
Hoje , e só por hoje, haverá duzentas mil mensagens em sua pagina desejando-lhe tudo de bom.
Seus amigos lhe dirão que estão felizes por você existir e fazer parte da vida deles!
Sorrirão para você e você se sentirá importante,mas só por hoje?
Só por hoje são seus amigos? Só por hoje lerão seus olhos e compreenderão sua alma? E ouvirão atentamente sobre suas tristezas e alegrias ocultas no olhar?
Só por hoje eu não quero sua amizade!

Sabe por que não preciso desta sua momentânea atenção?

Tenho amigos de verdade para todos os dias de minha vida e para todos os risos e para todas as lágrimas!
Estes meus amados amigos mostraram-se companheiros inestimáveis...
Creram em mim quando eu mesma fui incapaz de fazê-lo...
Sorriram de suas derrotas para me fazerem entender que minha dor ia passar....
Fizeram palhaçadas e erraram, também são humanos meus amigos, claro com exceção de um deles que é Dhampir , todos os outros tem seu charme todo especial!
Todos são minha preciosas jóias de ouro e eu os quero muito!
Amigos maravilhosos, luzes de minha existência obrigada por serem parte de mim!
Que nos próximos milhões de anos vocês estejam aqui no meu peito para fazê-lo pulsar de alegria como agora está pulsando!




segunda-feira, 18 de julho de 2011

DE LETRAS A SENTIMENTOS

                 
       Hoje li algo que não posso desconsiderar em minha existência. Navegando nas minhas postagens senti uma vontade imensa de saber o que o Rafael andava fazendo e fui visitar seu blog. Encontrei um texto que mais uma vez me fascinou. Sabe o que me fascina nos teus textos Rafael? Sãos as suas experiências e sua vida que se assemelha a minha! São os seus erros e seus sonhos que se assemelham tanto aos meus! São as coisas que você escreve e que eu é que sinto! È mágico, como o circo, é impressionante!
       Esses dias eu ando meio sem inspiração para escrever, você falava isso em seu texto, lembra? Esses dias escrevi um texto que se chamava ‘ vontade de você’, falava sobre uma razão para continuar, uma razão para escrever... Como você, eu também perdi minha razão, também me enganei de novo! Também me senti meio perdida e meio sem ter mais o que dizer! Estou seguindo vivendo, como você! Você às vezes me confunde sabia? Às vezes me questiono se realmente existo ou se sou apenas uma personagem irreal criada por você... Como posso explicar para mim que você desvenda minha alma com suas palavras? Não tenho conseguido racionalmente uma boa explicação, assim sendo, parti do racionalismo para a ficção a fim de encontrar uma boa resposta. Não encontrei nada ainda, acredita?
       Depois que te leio, e me reviso, entendo menos sobre mim! Parece confuso certo? É porque é muito confuso mesmo! (risos). Aprendo com você sobre mim... Isso é incrível. Não é um caso de estar sendo bajuladora não, você realmente tem o dom das palavras e eu fico totalmente subjugada ao destino que darás a tua alma, também a minha, ao que parece, seguirá o mesmo rumo!
      Torço para que indo em direção ao nada, você se encontre finalmente e que eu me encontre também... Então será como se eu em minha indescritível fuga, finalmente pudesse sossegar e respirar. Finalmente, dentro de mim a paz habitará e saberei o que é felicidade, ao menos teoricamente, poderei saber.
      Parece pouco a ser dito, mas é muito mais do que possas supor. Muito mais! É que eu não encontro as palavras. Não sei se poderias entender que como uma personagem, verdadeiramente, sou fiel à descrição e ao momento de tua narrativa. Como se não houvesse outra eu além daquela que segue tua alma por caminhos nunca dantes trilhados e que é mais guiada por teu extinto do que por minha própria decisão! Como se eu não pudesse me desvencilhar do poder dominador de tuas palavras, que são belas e, às vezes, muito tristes.
      Estou pensando agora, sobre o que mais escreverá? E será que eu vou sentir como senti quase tudo que já li de você até hoje?
      É também não sei...
      Então tá, vou apenas esperar (lembrei-me do teu texto sobre espera e também dos meus mil textos sobre uma espera desnecessária e triste!), não importa mais...
      Quer saber, que venha então o amanhã!

O PALHAÇO

                
       Acho que esse é o texto mais especial que eu poderia escrever. Falar de palhaços e especialmente prazeroso para mim. Não sei bem de onde veio essa minha obsessão pela imagem, exageradamente pintada, do palhaço! Aliás, eu tenho uma desconfiança. Acho mesmo que a culpa é de um poeta local, Dinamérico Soares, que em um poema chamado “Palhaço” descreve magicamente o intimo do palhaço e seus sentimentos de um modo indescritivelmente belo. Teria que vê-lo aqui para poderem entender do que falo.
       Fico paralisada, muda e estática diante das palavras que ele usou, elas são fortes e belas. Ao mesmo tempo em que torna o palhaço totalmente humano, o torna também herói.
       Desde que vi este poema, algo dentro de mim com relação aos palhaços mudou. Não rio de suas piadas sem graça e até lamento o nível do que se chama de ‘humor’ hoje em dia, mas eu os respeito como seres vivos. Admiro- os por sua nobre missão de fazer seu melhor para fazer outros rirem, mesmo quando eles mesmos não o poderiam  fazer; mesmo estando partidos por dentro, eles emendam os outros corações com sorrisos. São mágicos e irreais!
       O que são os palhaços? Homens novos e velhos, pais de família com ‘bocas’ para alimentar, trabalhadores autônomos e gente. Eis o que são os palhaços! Gente como a gente, que sentem e choram; que dizem palavras chulas quando estão chateados; que namoram; que dizem adeus a cada cidade; que sonham e deixam de sonhar um sonho para começar outro a cada novo porto. São homens, mulheres, crianças e adolescentes que nunca desistiram de viver, que escolheram viver de um jeitinho meio incomum, sem porto, sem destino, sem grades, sem regras. Os palhaços são seres livres!
      ‘Quando o circo pega fogo sua alma empalhada quer correr, não tem para onde... ’
      Para onde vai o palhaço? Aonde ele pode estar além de entre as deslumbrantes lonas de um circo, fazendo graça? Não há um mundo só para eles, o mundo todo os pertence. Eles são os seres que mesmo não tendo nada, tem tudo! São especiais e fascinantes os palhaços!
        Lembro agora de uma postagem que pus no meu blog, quem é o palhaço triste? No final, depois de uma porção de imagens de palhaços fazendo algo que não lhes é habitual, ao menos enquanto está no personagem, chorar. Isso mesmo meus palhaços choram! Então eu concluo, Sou EU, Eu é que sou o palhaço triste...
      Às vezes, é exatamente assim que me sinto. Palhaça na vida! Palhaça somente é o que sou! Então eu fico tentando ler o olhar triste dos palhaços e não consigo! Concluí que não o posso fazer porque apesar do desejo estranho de ser palhaço, talvez pela ideia de liberdade que eles me transmitem, eu não posso sê-lo porque não tenho alma de palhaço, apenas um desejo intenso de compreender aquele olhar triste e ajudá-lo a ser, ao menos, mais um pouquinho feliz!

A você!

                       
 
       Tu foste um sonho dourado de uma bela noite de verão...
      Tu foste também inspiração para muitos poemas de amor...
Tu foste muito mais que um amante a moda antiga, fostes um grande
               amor que não pode ser esquecido jamais!
  Tu foste intensa marca num peito prateado, num coração coroado
                            com teu sorriso!
            Fui também uma boa lembrança em teu viver...
        Talvez uma tórrida aventura de momento ou algo mais!
            Marcastes meu dia e não te poderia dizer adeus.
  Tu também não poderias me dizer adeus, e não dissestes... Fostes
            embora sem olhar para trás e sem dizer adeus!
                            Sofri, é verdade.
  Não entendo ainda sua ausência tão desnecessária, minha dor tão
                                 cruel...
                       Sinto-me sozinha de fato...
  Mas, seria estranho se você voltasse e não houvesse a magica e os
                 sentimentos dantes experimentados...
                       E sinceramente já não há!
  Já que você deixou meu peito sem olhar para trás, então não volta
                                  mais!
Nunca mais se lembre do beijo e do abraço, que eu buscava proteção
em teus braços, não lembra mais do meu sorriso e de minha inocente
  vontade de amá-lo sem limites, não lembre mais de nada, talvez já
             seja demais esperar que se lembres de mim!
                              Não importa!
        Ainda lembro-me de ti, aliás, sempre me lembro de ti...
  Estás presente a cada instante, mas já tento me acostumar com o
 vazio que causastes dentro de mim, já tento viver com a verdade de
           que jamais voltarás, não por mim, não para mim!
Deixaste-me com um medo terrível de crer novamente e isso é culpa
                                   sua!
           Mas, deixaste-me uma coisa linda para recordar...
               Não! Não é você minha melhor lembrança!
 Foi o sentimento que despertastes em mim que me faz feliz quando
                            me lembro de ti.
 São os sorrisos e as esperanças que plantastes no meu peito, estes
 mesmos, que me fizeram imensamente realizada, ao menos por um
  pouco, pude tê-los do meu lado e era bem mais fácil sorrir para o
                                amanhã.
   Não tem preço essa emoção e comoção que me abrigou quando
      sorristes para mim com lindos olhos de promessas doces...
       Não tem preço as razões que me fizeram crer e amá-lo...
             Mas, você se foi e quantas saudades eu sinto!
Vou viver não te tuas lembranças, eu viverei de meu próprio néctar e
              me alimentarei de minha própria esperança.
                      Sorrirei por outros motivos!
Talvez um dia, quando eu menos espere, você surja em meu caminho
                  e me surpreenda com sua presença.
Talvez não, talvez você nunca mais me veja e eu também nunca mais
             te encontre, a vida tem dessas e eu entendo...
       Às vezes temos mesmo que deixar os sentimentos irem...
          Deixá-los seguir seu caminho e nos abandonarem...
           Sobrará dentro de nós um vazio intenso e imenso!
                             Sobrevivemos!
                         Eu também sobrevivi!
            E ainda sonho com a felicidade ao cair da noite.
                                         

terça-feira, 12 de julho de 2011

Eu te amo!


Como pode ser ouro para o mundo e nada para ti minha imagem?
Diz-me, como pode ser que tudo signifique algo para todos e para ti eu
não seja nada?
Não poderias sentir minha dor por teu desprezo e desconfiança!
Saiba que eu te amo! Eu vou amar você mesmo quando parecer
impossível fazer isso, mesmo assim, eu ainda te amarei!
E enquanto me repudias e ignoras, enquanto até mesmo me julgas não
merecedora de tua paz, ainda eu te amo!
Mesmo enquanto me feres com tuas cruéis e irrefletidas palavras,
sempre tão cheias de verdades absolutas, e enquanto dói ainda meu
peito por tuas duras atitudes, Eu amo você!
Você é um reflexo de uma perfeição com a qual eu não fui
comtemplada! Não, não faço nada que mereça que me envergonhe e me
arrependa, apenas tento sobreviver, e viver um pouco de vez em
quando... Mas, você não! Sempre tão boa em sua perfeição! Sempre tão
certa e rígida em suas regras! Sempre sorrindo, como é digno de uma
lady!
Eu não! Eu sou tudo que repudias e odeias...
Vestígios de indignidade e mundanice, eis o que sou para ti!
Desprezível seria o termo para minha dor.
Incoerentes e estupidas todas as minhas atitudes, julgas que eu seja
realmente nada!
Lamento não ser sua imagem senhora perfeição!
Amo-te mesmo em minha condição miserável e humanamente
degradada por tuas vistas!
Não sou nada para ti!
És sim muito para mim...
Não é sobre tua dignidade, mas sobre o modo como me enxergas que te
falo francamente neste instante.
Não sou tão mal! Juro-te, se assim quiseres, que não estou errando,
estou vivendo!
Não sou tão mal assim!
Eu queria mesmo poder livrá-la do constrangimento de estar comigo do
teu lado, tão imaculada sua presença e tão perniciosa a minha, queria
poder poupá-la do vexame de se violentar olhando-me constantemente.
Não, não é drama! É sim, tristeza por tuas agressões e amargura por teu
desprezo... Estás tão zangada agora que não poderias ouvir-me, tão
certa de tuas conclusões que me repudias e simplesmente me rejeitas
sem ao menos poder me dar à oportunidade de defesa.
Não! Tens razão em dizer que não posso me explicar!
Como eu poderia abrir meu peito para uma estranha? Como eu poderia
me revelar para ti, que já me odeias a tanto e sequer finges teus
sentimentos?
Não te fiz mal, ao menos não de propósito!
Se te fiz algum mal consciente, então te peço agora perdão!
Peço-te perdão por não ser tão perfeita, correta e moderna, quanto você!
Perdoe-me se puder, ou não perdoe!
Perdoe-me se ainda podes me julgar capaz de defesa, ou não perdoe se
não acreditar!
Você pode ser muita coisa e eu não sou nada!
Atentada! Inconsequente! Estupida! Moderninha demais! Idiota!
Que todos me perdoem... Porque se errei, juro estava tentando acertar!
Mas não, não errei!
Sei disso! Não preciso provar que sou ‘boazinha’!
Basta que eu seja ‘boazinha’... Pronto, nada mais importa!
Sinto um bolo entalado na garganta, queria gritar e chorar... Queria um
abraço de amigo, talvez seu ombro Marianny, pudesse me acalmar.
Seria tão mais fácil ser feliz se eu pudesse ser transparente e clara em
meus atos!
Seria tão mais fácil ser feliz, se você não me odiasse e me julgasse tão
mal!
Não sou tão mal assim!
Meu estomago está embrulhado e a vontade de vomitar me envolve, um
tremor inesperado e desnecessário se apossa de mim, e penso
seriamente em adormecer para sempre!
Dormir! Esse é que é o segredo! A felicidade de não errar jamais,
encontra-se no simples atos de adormecer e morrer!
Ops! Morrer não, alguém me disse que é feio falar isso, melhor dizer ‘ no
simples ato de fazer a viagem’, ah! Agora sim mais redundante e
agradável...
Sim, uma observação apenas, se fizer a ‘viagem’ vai morrer, quer isso
seja feio, quer não!
Morte!
Morrer não é feio, é necessário!
Temos uma dívida e ninguém conseguirá ser feliz enquanto não quitá-la,
isto é um fato inquestionável.
Mas, isto também não é sobre morte e sim sobre vida e como a vives.
Regradamente natural. Dominados pela loucura de ser certos e
perfeitos! Nós é que somos loucos e os loucos que são sãs e felizes,
droga!
Vale salientar que falo da loucura que pode ser dominada e
transformada em poesia, não da loucura patológica que destrói o ser... É
da loucura poética, que se apossa de quem escreve, e o faz aliviado e
feliz.
Aliviada e feliz! Eis o que sou neste momento!
Feliz não! Feliz é exagero poético! Felicidade passou tão longe de meu
berço que não sei a quem posso me queixar sobre isso!
Feliz sempre é hipérbole de gigante!
Esta poetisa é hiperbolasticamente infeliz!
Exageradamente amargurada e triste!
Estupendamente sozinha...
E agora, agora é para sempre!
Não suporto mais tuas duvidas porque Eu te amo, e por tanto te amar é
que dói tanto!
Dói para sempre!
E hoje, mais do que nunca, é que me sinto um palhaço triste... Muito
triste!
(09/07/2011)

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Vontade de Você!

Isso pode parecer bobagem,mas hoje eu acordei com uma vontade de você que nem sei como vou passar sem ver o teu sorriso ilumando minha face.
Só por hoje não não!
Por toda a vida queria acordar assim,
Morrendo de vontade de você!
Esses dias, eu confesso,não queria lembrar de você...
Foi muito mais forte do que eu e de repente me vi ali, parada, estática,imobilizada pela sua presença que me assaltou de supetão.
Todas as memórias de você retornaram ao meu peito e minha dor, minha saudade é tão grande que eu chorei de novo por ti, mesmo depois de ter jurado que não o faria jamais!

Voltastes ao meu coração com um poder singular.
Acordastes dentro de mim, este velho guerreiro coração.
Mas, sem tua presença, é que doí mais sabia?
Saudades é a regra dos meus dias de solidão e vazio...
Se tivesse me dito adeus, eu sei que você sabe que eu não aceitaria, mas também não aceito, e quero que saiba, sua ausência.

Sua ausência não consentida me desmorona.
Já não sou mais eu assim, sem você!

Hoje e sempre desejo que sejas feliz!
Mas, só por hoje queria que fosses meus, só por uma  lua, só por um instante queria que me amasse...

Estou destinada a solidão de dias frios e vindouros.
Mas, não porque alguém não me ame!
                                                                  Não, não é isso!
Talvez em algum lugar do mundo exista alguém que me ame, e que está pensando em mim neste momento!

É que tenho dentro do peito uma ferida que a cada instante fica mais difícil de sarar...
Confesso todo meu medo de quando o grande e verdadeiro amor cruzar meu caminho, eu esteja muito distraída para notar.
Quero aproveitar e deixar um recado para ele, se você realmente existir, por favor:
' Não desista de mim  tá? Se eu estiver distraída, pode gritar!'

´

terça-feira, 5 de julho de 2011

Minha alegria!


És tu no peito chantagem de amor,
Brindamos ao ato de fazermos a alegria do outro florescer.
Inspiras-me mansamente a ama-lo desesperadamente,
Loucura e sandice são misturas de mim e você!

Nossas risadas escandalosas
Nossos suspiros hiperbolizados
Nossos olhares que despejam chamas de fogo no ar
Fazem os amantes adormecidos acordarem para o fulgor de nossa paixão!

Senil, velho nosso peito jamais será...
Enquanto houverem rosas a cada amanhecer,
Enquanto houver o sol no fim da tarde,
E a lua no céu para nos testemunhar,
seremos nossa própria vida e própria alegria!

Discutimos é verdade,
Mas você está aqui
Meu peito hoje volta a palpitar
Acho que posso sim amar você!

Meu desejo de viver
felicidade de sentir
Obrigada minha vida
Por hoje você existir!


segunda-feira, 4 de julho de 2011

Minhas razões


         Estranho estes sentimentos que deságuam de mim...
    Sei que não deveria importar a tua limitação de
          entender com a alma o que escrevo.
  Devia já tê-lo advertido que enquanto olhares para
  meus escritos com olhos físicos, jamais conseguirá
 entender do que falo... Meus textos devem ser lidos
 com a alma, com a parte psicológica e emocional do
teu ser, não com estes olhos, que enxergam apenas a
casca, mas não podem ver o caminho percorrido pela
              seiva que alimenta a arvore...
  Não poderás jamais entender o que digo se não te
   inundares do desejo de sentir as palavras, se não
        deixa-las te dominar e se apossar de ti.
 Será então como jogar pedras ao vento, como cantar
    para o nada, como sentir-se vazio e só, por que
          simplesmente não poderás entender.
  Todos terão algo a dizer, mas você só me dirá que
 não significa nada, que são palavras sem nexo e que
           a lógica não existe naquelas ideias.
  Primeiro, minha alma não busca a lógica, depois de
que valor ela teria se não a posso sentir? Minha alma
   busca o amor, por que este sim eu posso sentir,
       posso viver, posso gritar sem mistérios...
 Não entenderás o que digo sobre idas, sobre perdas
  necessárias e desnecessárias, sobre a dor de uma
solidão que somente tu podes abrandar ou sobre tirar
 férias de amar e não ser amada, mas entenderias se
eu te dissesse que te amo? Entenderias se tu, que me
 magoastes em tua sabedoria, fosses a razão do meu
   peito e meu motivo de ser? Podes entender que
    busco uma razão na tua voz e suspiro por teus
  sorrisos agora?
Escuta-me sempre com a alma e não tentes entender
    o que sinto usando o sentido real das palavras.
     Minha alma e minha essência são apenas uma
     conotação eterna, sinto muito se não a podes
 entender, mas acredito que devias ao menos tentar.
        Sabe por que insisto?
            É que...
      Gosto tanto de você!